Redesenho da marca da FDC
- Fundação Dom Cabral

No início de 2016 nós fomos chamados pela agência Tom Comunicação para ajudá-los a redesenhar a marca da Fundação Dom Cabral. A FDC é uma escola de negócios, focada no desenvolvimento e na capacitação de executivos, empresários e gestores públicos. Ela foi criada em Belo Horizonte, em 1976. 

Desde que começou a trabalhar com a FDC, a Tom modernizou toda a comunicação e os materiais gráficos da escola. Essas mudanças fizeram com que a marca e a tagline que estavam em uso passassem a não representar mais o novo momento da FDC. Por isso surgiu a necessidade, e também a vontade, de se redesenhar a marca e de se criar uma nova tagline.

O projeto de redesenho demorou alguns meses e envolveu muita gente. O ápice do processo foi um workshop que durou três dias e que teve a participação de cerca de vinte pessoas. Neste workshop tivemos a chance de entender mais profundamente a FDC, e de definir, entre outras coisas, os atributos da marca. Uma das metodologias usadas neste processo foi a Lego Serious Play, onde através de dinâmcias com Lego foi possível extrair dos participantes ensinamentos sobre a marca.

Para poder redesenhar a marca FDC, fomos atrás da história dela. Buscamos todas as suas versões e variações ao longo dos anos, desde a sua criação,  para tentar descobrir elementos interessantes que pudessem ser incorporados à sua nova versão. O redesenho de uma marca não deve começar do zero, abandonando tudo o que já existiu. Existem sempre elementos que estavam esquecidos em versões anteriores, ou latentes na versão atual, que podem ser retomados e revitalizados.

Desde a sua fundação, em 1976, a escola já usou algumas marcas, e elas tiveram algumas variações ao longo do tempo. 

A primeira delas possuía um símbolo abstrato, com três elementos arredondados de tamanhos diferentes dispostos em ângulo. Era uma tentativa de transmitir graficamente o conceito de crescimento e de melhoria. A tipografia era simples, sem serifa. A cor azul, que se tornou símbolo da escola, já era usada. Este símbolo é bem característico dos anos setenta, uma década em que os desenhos abstratos e geométricos dominaram os programas de identidade visual.

A segunda marca começou a ser adotada a partir de 1994, e se distanciou totalmente da primeira. Foi criado um símbolo mais elaborado, que também remetia ao conceito de crescimento. Era uma pirâmide ou escada tridimensional composta por cubos em outline. Um símbolo que se transformou praticamente em uma ilustração. A sigla FDC passou a ser usada, e era composta na fonte ITC Stone Semibold com 306% de distorção horizontal. A distorção de fontes foi uma moda passageira que ocorreu nos anos noventa. 

Esta moda estava ligada às novas possibilidades oferecidas pelos computadores pessoais. A manipulação de fontes era algo restrito até a invenção dos programas gráficos, por isso essa possibilidade seduziu muita gente. O problema da distorção é que ela destrói o desenho original da fonte, modificando todas as suas dimensões.

A terceira marca, que foi usada até o redesenho que fizemos, abandonou a ilustração da pirâmide. Manteve a tipografia distorcida e a colocou dentro de uma caixa azul. Esta marca tinha muitas limitações, como por exemplo o fato de ser genérica demais e também a questão de ter uma legibilidade reduzida quando aplicada em pequenas dimensões.

 

Para saber qual o melhor caminho a ser tomado no redesenho dessa marca, houve uma fase de imersão em que muita gente de dentro e de fora da escola foi entrevistada. O objetivo era entender a relação que essas pessoas tinham com a marca e o que achavam dela. O nosso desafio foi criar uma nova marca baseada em todos os ensinamentos produzidos nestas entrevistas com os colaboradores e com os parceiros. Ela deveria fazer de preferência alguma referência à história da FDC, mas ao mesmo tempo precisava estar alinhada com o novo momento da escola.

Após diversos estudos, o caminho que escolhemos foi o de criar o que em inglês se chama de ‘wordmark’. Wordmark é um logotipo com letras customizadas. As melhores wordmarks carregam significados em seus desenhos que traduzem os atributos da marca. A ideia da wordmark é transformar uma palavra ou sigla em algo único, que conte uma historia. A IBM, por exemplo, é uma wordmark famosa. 

A marca que estava sendo usada até então era apenas uma sigla composta em uma fonte distorcida já existente. Era uma marca neutra, sem personalidade. Quando uma marca conta uma história em seu desenho, ela se torna única e memorável. Se transforma de um nome escrito em uma marca.

E a historia que decidimos contar é a de superação, de relevância e de crescimento. É o que faz com que a FDC seja uma escola respeitada nacional e internacionalmente. Decidimos recontar isso de uma forma mais atual, na verdade, pois essa história já existia nas marcas usadas anteriormente. O processo foi longo, e produzimos muitos estudos até conseguir chegar à solução ideal.

 

A marca definitiva é simples, mas tem algo a dizer. Ela se origina de dois símbolos pertencentes ao universo da FDC: um gráfico de barras indicando crescimento, e uma escada. Juntamos eles à letra ‘F’ da sigla e criamos deste forma um símbolo único. A FDC tem agora uma marca flexível, moderna e memorável. Uma marca alinhada aos novos valores da escola e pronta para os desafios futuros.